quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Não espere para aproveitar a vida

A revista Istoé, publicou esta excelente entrevista de Camilo Vannuchi._ O entrevistado é Roberto Shinyashiki, médico psiquiatra, com Pós-Graduação em administração de empresas pela USP, consultor organizacional e conferencista de renome nacional e internacional.
Uma das perguntas, veja a seguir e medite.
ISTO É: Muitas pessoas têm buscado sonhos que não são seus?
Shinyashiki: A sociedade quer definir o que é certo. São quatro loucuras da sociedade:
A primeira é: instituir que todos têm de ter sucesso, como se ele não tivesse significados individuais.
A segunda loucura é: Você tem de estar feliz todos os dias.
A terceira é: Você tem que comprar tudo o que puder. O resultado é esse consumismo absurdo.
Por fim, a quarta loucura: Você tem de fazer as coisas do jeito certo.
Jeito certo não existe. Não há um caminho único para se fazer as coisas.
As metas são interessantes para o sucesso, mas não para a felicidade.
Felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito. Tem gente que diz que não será feliz enquanto não casar, enquanto outros se dizem infelizes justamente por causa do casamento.
Você pode ser feliz tomando sorvete, ficando em casa com a família ou amigos verdadeiros, levando os filhos para brincar ou indo à praia ou ao cinema.
Quando era recém-formado em São Paulo, trabalhei em um hospital de pacientes terminais. Todos os dias morriam nove ou dez pacientes. Eu sempre procurei conversar com eles na hora da morte.
A maior parte pega o médico pela camisa e diz: "Doutor, não me deixe morrer. Eu me sacrifiquei a vida inteira, agora eu quero aproveitá-la e ser feliz".
Eu sentia uma dor enorme por não poder fazer nada. Ali eu aprendi que a felicidade é feita de coisas pequenas.
Ninguém na hora da morte diz se arrepender por não ter aplicado o dinheiro em imóveis ou ações, ou por não ter comprado isto ou aquilo, mas sim de ter esperado muito tempo ou perdido várias oportunidades para aproveitar a vida.
Deus nos criou para vivermos a vida em toda a sua plenitude, para sermos felizes, sermos livres...não se deixe escravizar...não seja escravo da ganância... do egoísmo... da amargura... do ressentimento...da falta de tempo...
Tenha tempo para Deus, para sua família, para você mesmo!
Seja livre para amar...para perdoar...para sonhar...para viver !
"Não espere a hora da sua morte para lembrar-se de que é preciso aproveitar a vida e ser feliz!"

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

The Foursquare Blog — Celebrating our Global Community

The Foursquare Blog — Celebrating our Global Community:



"Com a aproximação da Olimpíada, gostaríamos de aproveitar para destacar membros da nossa comunidade global. Perguntamos a alguns de nossos Superusuários quais seus locais favoritos em suas cidades para aproveitar a autêntica gastronomia e o que em relação à Olimpíada mais os estimula."



"With the Summer Games on the horizon, we wanted to put the spotlight on our incredible global community. We asked a few of our Superusers what they were looking forward to most during the games, and their favorite spot for authentic cuisine in their city. Here’s what they had to say:"



Brazil


image


Who: Ricardo Fraga, SU3
Lives in: Juiz de Fora, Brazil
Joined Foursquare: 2011
Favorite spot for Brazilian cuisine: Trem da Terra
What he’s looking forward to: “I hope that the Olympic Games occur with tranquility and all possible security. I want Brazil to show the world that even with all of the political and social problems that affect our country, we can still receive visitors from all over the world with joy and hospitality- the characteristics Brazilians are best known for.”
U.S.A.


image


Who: Jeremy Wilcox, SU3
Lives in: New York City, USA
Joined Foursquare: 2012
Favorite spot for American cuisine: Fred’s Restaurant
What he’s looking forward to: “Tennis!”
Turkey


image


Who: Emrah Yılmaz, SU3
Lives in: Ankara, Turkey
Joined Foursquare: 2011
Favorite spot for Turkish cuisine: Yıldız Aspava
What she’s looking forward to:“Being a veteran swimmer, one of the best parts of Summer Olympics is the swimming races. In my opinion, the Olympics is the best place to build a peaceful and better world. When I’m out and watching the Olympics, I’ll be at Pool Pub.”
Spain


image


Who: Daniel Lora, SU3
Lives in: Marbella/Málaga - Spain
Joined Foursquare: 2012
Favorite spot for Spanish cuisine: Los Tres Pepes
What he’s looking forward to: “I’m most looking forward to watching the athletics at home.”
Russia




Who: Alexander Mochalov, SU3
Lives in: Moscow, Russia
Joined Foursquare: 2011
Favorite spot for Russian cuisine: Grably
What he’s looking forward to: “I’m not sure about this year but we usually have huge screens in popular and crowded parks (for example, Gorky Park) with big sport events broadcastings.“

domingo, 24 de abril de 2016

Fazer Tempestade em copo D'Água

Essa imagem me remete ao famoso ditado popular sobre: "Fazer Tempestade em copo D'Água".
Como o desenho mostra, são copos iguais, cheios com a mesma quantidade de água mas que mostra duas REAÇÕES diferentes: Enquanto uma pessoa se afoga a outra flutua.
E isso sabe porque?! Porque não são as situações que roubam a nossa paz mas a nossa forma de reagir a Elas...
Na vida é sempre assim:
Enquanto um reclama do que acontece, o outro agradece;
Enquanto um se apavora, o outro ora;
Enquanto um se desespera o outro em Deus espera;
Enquanto um fala mais do que devia, o outro silencia;
Enquanto um vê sempre o lado ruim, o outro sempre procura o lado bom;
Situações parecidas, reações diferentes diante de um Deus que é o MESMO para todos!!!
Aprenda que: - VOCÊ NÃO PODE CONTROLAR O QUE ACONTECE COM VOCÊ, MAS PODE TREINAR A FORMA COM QUE REAGE AO QUE ACONTECE!!!

fonte desconhecida :(

sábado, 22 de novembro de 2014

Decida ser feliz

Ser feliz pressupõe viver a vida em plenitude, cuidando de si e daqueles que eu amam. Torne os outros felizes. Não dê ouvido a promessas. Lute por um mundo melhor. Olhe com fascinação para tudo. Sorria. Assobie. Cante. Dance. Ser feliz é ter esperança, confiança em si mesmo e nos outros. Reze agradeça a Deus todos os dias. Seja você mesmo, pleno e intensamente, todos os dias, até a morte. Sinta Deus em seu coração e alma e esteja convicto da Vida Eterna e da Ressurreição. (autor desconhecido).

Meditação

A pessoa que nunca medita como alguém que nunca se olha no espelho e, assim, não se cuida e sai desarrumada. A pessoa que medida e dirige seus pensamentos a Deus, que é um espelho da sua alma, procura conhecer seus defeitos, tentar corrigi-los modera seus impulsos e põe em ordem sua consciência. (São Pio de Pietrelcina)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Dez motivos para ler mais devagar

Original de DANILO VENTICINQUE
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/danilo-venticinque/noticia/2014/03/dez-motivos-para-bler-mais-devagarb.html


em 18/03/2014

A velocidade da internet nos fez desaprender a arte da leitura. É preciso redescobri-la. Quando abandonamos as distrações digitais e lemos um livro com calma, mesmo que por pouco tempo, cultivamos algumas habilidades fundamentais que corremos o risco de perder.

Para quem está destreinado, reacostumar-se à leitura lenta ou praticá-la pela primeira vez pode dar trabalho. Não há motivo para preocupação. Os livros – sempre eles – podem ajudar. São incontáveis os autores que pretendem nos ensinar a ler melhor. Entre eles, o crítico literário americano David Mikics é o que mais chamou minha atenção, com seu livro recém-lançado Slow reading in a hurried age (A leitura lenta numa era apressada).

O título explica tudo – perfeito para quem quer capturar a atenção de leitores apressadinhos. Ao longo de 336 páginas, Mikics defende os benefícios da leitura lenta e se propõe a ensiná-la. É a mais apaixonada declaração de amor aos livros que li nos últimos tempos. Na coluna de hoje, divido algumas de suas dicas para quem quer abandonar a pressa.
1. Saiba por que você está lendo

Ninguém lê um livro apenas para passar o tempo. Na internet, no celular ou na tela da televisão, não faltam outras opções mais atraentes e acessíveis para quem quer relaxar nas horas vagas enquanto o sono não vem. Ler um livro é uma atividade diferente de todas elas. Lemos porque estamos procurando respostas para algo – talvez uma pergunta que ainda não tenhamos feito. Pense nisso. Ler sem motivo é uma receita infalível para ler mal. Antes de começar um novo livro, tente responder a essa questão simples: o que você espera tirar dessa leitura? É uma maneira de escolher melhor os livros que lemos – e de garantir que a pergunta será respondida.

2. Fuja da microleitura

Engana-se quem diz que a televisão é a principal inimiga dos livros. A maior distração dos leitores, hoje em dia, é a própria leitura. Dedicamos a maior parte de nosso tempo na internet a uma leitura fragmentada, superficial, com péssimos índices de compreensão e retenção. Você pode passar o dia inteiro lendo posts no Facebook e notícias curtas em portais. Daqui a um mês, não se lembrará de nada. Repetir esse comportamento por um longo prazo é matar a mente de inanição. “Não dá para viver dessa dieta”, diz Mikics. “Até para ler apenas uma página de literatura de verdade é preciso ter tempo para refletir.”

3. Aprenda a perder

Um dos erros mais comuns entre apaixonados por livros é não respeitar seus próprios limites. A lista de leituras pendentes é interminável e não há tempo a perder. Mal viramos a primeira página e já pensamos em acabar a história, e no próximo livro que leremos em seguida. Com isso, a leitura passa a ser uma fonte de estresse. A vontade de terminar o livro é tão grande que não somos capazes aproveitá-lo. Reconhecer que não conseguiremos ler tudo o que queremos é fundamental para aproveitar a leitura. “Como você lê importa muito mais do que quanto você lê”, diz Mikics. Ler cinco livros com prazer é muito melhor do que ler cinquenta sem refletir sobre eles.

4. Respeite o autor

Você pode até não perceber, mas a internet se molda às suas vontades. Seus amigos nas redes sociais provavelmente pensam como você. Algoritmos do Google e do Facebook selecionam e exibem o conteúdo que tem mais chances de agradar alguém com o seu perfil. Você pode passar um dia inteiro na internet sem encontrar alguém que tenha bons argumentos para discordar de suas opiniões. Ler um livro, pelo contrário, é um exercício permanente de questionar convicções. É deixar de ser protagonista para ser ouvinte. Na leitura, a opinião do autor é muito mais importante do que a do autor. É preciso deixar as preferências pessoais de lado para entender um livro por completo, mesmo que discordemos dele. Só quem aprende a ouvir e aceitar opiniões diferentes conseguirá aproveitar a leitura.

5. Desconfie do autor

Endeusar um autor pode ser ainda mais perigoso do que rechaçá-lo logo de cara. Qualquer livro, mesmo os grandes clássicos, é cheio de idiossincrasias típicas de qualquer obra humana. Analisar as escolhas do autor e fazer perguntas sobre elas é uma maneira de dar ainda mais profundidade à leitura. O que cada personagem representa? Por que o livro termina da maneira como termina? O que mudaria se a história se passasse nos dias de hoje? Alguma das opiniões do autor seria considerada polêmica ou inaceitável atualmente? Condenar o autor é injusto e inútil, mas fazer perguntas desse tipo é um passo importante para garantir que tiraremos o melhor de cada livro.

6. Imagine novas histórias

Para terminar um livro, o autor é obrigado a tomar decisões. Das inúmeras de histórias diferentes e contraditórias imaginadas por ele, apenas uma chega ao leitor na história publicada. Por que ela foi escolhida? Por que a trama não se desenrolou de outra forma? As perguntas parecem infantis, mas são um passo essencial para quem quer entender melhor o autor. Pense nas maneiras diferentes como o livro poderia ser escrito. Imagine histórias paralelas e tente se colocar na cabeça do escritor que decidiu descartá-las. Ralph Waldo Emerson escreveu uma bela frase sobre o assunto: “Assim como existe a escrita criativa, existe a leitura criativa.” O que não está no livro pode ser tão estimulante quanto o que chegou às páginas da versão final.

7. Viva com o livro

“Olhar para um tweet demora alguns segundos; entender um romance demora dias, às vezes semanas”, diz Mikics. Pela sua natureza, o livro é algo que nos acompanha no dia a dia, mesmo quando não estamos diante de suas páginas. Pensar num livro quando estamos longe dele é uma parte indispensável da leitura lenta. Leve seu livro para passear, ainda que mentalmente. Lembre-se dele nas situações mais inusitadas do cotidiano. Se você tiver sorte, isso mudará algo na sua forma de ver o livro (ou a vida). Um tweet dificilmente teria esse efeito.

8. Repita até aprender

Com tantos livros para ler em tão pouco tempo, a releitura poderia ser vista como um pecado a ser evitado a todo custo. Na prática, ela é essencial. Mikics recomenda que todos os leitores tenham uma prateleira de livros favoritos e releiam ao menos partes deles com frequência. Cada leitura é uma redescoberta. Uma das mais verdadeiras frases sobre esse hábito foi escrita pelo romancista Robertson Davies: “Um livro verdadeiramente grandioso deve ser lido na juventude, na maturidade e na velhice, da mesma forma que um prédio bonito deve ser visto de manhã, ao entardecer e à luz da lua.”

9. Encontre sua próxima leitura

Uma boa leitura pode ser definida como uma conversa franca entre leitor e escritor. Quando embarcamos nela, é comum entreouvirmos, à distância, diálogos entre o autor do livro e outros autores. Um leitor curioso não deve perder a chance de acompanhar essas conversas. Um bom livro serve como porta de entrada para uma infinidade de outros, igualmente valiosos.

10. Reavalie sua vida

A experiência da leitura, segundo Mikics, é comparável a uma visita a um país estrangeiro. Podemos nos comportar como turistas impacientes, que estranham quaisquer novidades e não veem a hora de chegar em casa. Mas é muito mais recompensador aprender com as diferenças culturais, aceitá-las, descobrir um novo universo e reavaliar sua vida com base nessas descobertas. Cada livro é um país desconhecido. “Aproveitar ao máximo a viagem a esse novo território significa se render os sons e paisagens do lugar, mantendo-se alerta a todas as suas surpresas. Só depois você pode julgar o que viu”, afirma o autor. Cada nova leitura é uma chance de escolher se seremos viajantes curiosos ou turistas apressados. Nunca é tarde para aproveitar a viagem.

Danilo Venticinque escreve às terças-feiras.